Terceirizada e redução de salários são a solução apontada por Clóvis Júnior para a recontratação dos funcionários comissionados da Câmara de São Gonçalo

Escrito por Manacy Henrique em 21 de outubro de 2018

19553428_1158469814298640_440543753_n

Terceirizada e redução de salários são a solução apontada por Clóvis Júnior para a recontratação dos funcionários comissionados da Câmara de São Gonçalo

Após quebra de acordo por parte do presidente da Câmara Municipal de São Gonçalo do Amarante/RN, Raimundo Mendes Alves, que se deu com a anulação de seis portarias e todas de cargos comissionados da presidência, o advogado e vereador Clóvis Júnior apresentou uma solução para as recontratações.

No total, foram demitidos aproximadamente 130 funcionários comissionados. No consenso entre a Mesa Diretora e os parlamentares, não entraram no corte 20 servidores que atuam nos gabinetes e 10 nas funções administrativas da Casa de Leis.

Porém, a notícia que mobilizou mais uma reunião acalorada e fora da agenda dos parlamentares foi a de que a presidência tinha fechado uma compra de 17 computadores e estava sendo licitada outra para imóveis.

No encontro informal, era de conhecimento dos participantes que existia em caixa da Casa dos Bons Homens um valor próximo de R$ 400 mil e que o mesmo poderia ser usado para compra, contratação de serviços, devolvido ou para readmissão. Chanxe Dantas foi contra a compra de bens e reformas e reforçou a sugestão do colega para a contratação de uma terceirizada.

Na construção da pauta, para ser apresentada já na segunda-feira (22) numa reunião maior no gabinete da presidência, todos fecharam questão na redução de salário principalmente o de R$ 3,5 mil. Será reduzido, no mínimo, em 50%. Em janeiro, haverá uma nova discussão dos valores salariais.

Essa saída, por exemplo, foi inspirada na Câmara de Vereadores de Natal/RN. Pois a maioria das Casas do Estado tem como praxe essa prática. Deveria o presidente explicar para a população porque nos seus três anos anteriores de mandato não tomou essa decisão, já que é um dos signatários da polêmica associação da Câmara são-gonçalense a FECAM/RN. À época, o custo mental era de R$ 1,2 mil.

Enfim, nesta situação de vai ou racha o presidente não terá outra saída. Pois o próprio Clóvis e alguns dos seus alguns companheiros tem energia guardada para irem mais longe, quer dizer, esticar a corda dessa gestão até o limite. Se exigir esforço máximo, certamente, as mãos da gestão não aguentarão.

Na hora da onça beber água, ex-presidente Geraldo chega junto

Escrito por Manacy Henrique em 19 de outubro de 2018

44304584_1151292395034096_5947672575516606464_n

Na hora da onça beber água, ex-presidente Geraldo chega junto

Indulgência, para o político, é como na teologia católica, é o perdão ao correligionário dos equívocos cometidos, mas já perdoado como também previsto em um dos sete sacramentos da política.

Na reunião realizada no Clube do Auto Esporte, no Centro, em São Gonçalo do Amarante, ontem, quita-feira (18), o ex-presidente da Casa dos Bons Homens Geraldo Veríssimo de Oliveira fechou com o grupo político, liderado pelo prefeito Paulinho Emídio e Jaime Calado, pelos menos até 2025.

Em seu discurso, Veríssimo disse a Paulinho: “(…) Não votei em você, mas você pode contar comigo para hoje, para manhã, para depois, para 2020, 2022, 2024, 2025! Bote tempo nisso, que eu sou dessa forma (…)”.

Isso é uma prova que ele, diferentemente dos católicos, não precisou pagar pela sua indulgência. Foi salvo pelo ex-prefeito Jaime Calado das trevas da oposição pelos estirados anos de fidelidade aos projetos do marido da senadora eleita pelo Rio Grande do Norte Zenaide Maia.

De microfone em riste, sem prepotência, sem agressividade e com humildade bradou: “O palanque de 2020 é este aqui!”. Com todas as venais, permita-me meu caro leitor dizer, há três tipos de liderança nesta cidade: a liderança que topa tudo por emprego, a liderança que topa tudo por dinheiro e a que topa tudo por gratidão.

Por motivos óbvios, do nosso lado está cheio dessas lideranças. Apesar de esse substantivo não sair da nossa boca facilmente, são poucos que sabem definir o seu gosto. E exercer de maneira correta a função é outra história que não vale a pena contar.

Portanto, neste momento eleitoral, politicamente para o grupo que tenta eleger Fátima Bezerra governadora e Haddad presidente, Geraldo, Rayure, Márcia, Valda, Adelson, Chanxe e Nino são melhores que Pablo, que Thiago, que Edmilson, que Mendes, que Gerson, Clóvis e Valban.

Em dezembro, os gabinetes dos vereadores são-gonçalenses podem ficar sem atender a população

Escrito .por Manacy Henrique em 16 de outubro de 2018

18664550_800657386772478_2012495373788495028_n

Em dezembro, os gabinetes dos vereadores são-gonçalenses podem ficar sem atender a população

Repasse da Câmara Municipal mensal é de aproximadamente R$ 700 mil

A solidariedade dirigida aos pais de família via nota de esclarecimento pelo presidente da Câmara de Vereadores de São Gonçalo do Amarante/RN, Raimundo Mendes Alves, pelas demissões dos funcionários comissionados não fecha o balanço político da gestão e muito menos tem a concordância de como foi feita dos seus colegas.

O ajuste fiscal promovido pelo atual presidente é, tentemos esclarecer, um conjunto de medidas que visa promover o equilíbrio econômico do órgão. Além de buscar a racionalidade dos gastos contábeis, tem que estar alinhado com planejamento, transparência e racionalização das despesas.

Geralmente, o ajuste tem como objetivo principal ampliar as despesas visando à formação de um caixa. Quando acertada, especialmente, no caso da Casa dos Bons Homens, o saldo é devolvido para os cofres da prefeitura.

Entretanto, certamente, em função do período eleitoral, foi criado um descompasso entre receitas e despesas. E aí só foi parado graças ao para-choque da Lei de Responsabilidade Fiscal. Para solucionar o problema, a opção é mandam os cargos comissionados para a câmara de gás contábil.

Com bem esclarece a nota oficial, a questão foi debatida. Mas o único parlamentar a concordar com a decisão foi Edmilson Gomes. Os demais lutaram arduamente para encontrar uma solução que atendesse aos interesses públicos e aos dos pais de família. Infelizmente, Inês é morta.

Um dos vereadores que levantaram a mão para defender a causa dos funcionários foi o advogado Clóvis Júnior. “Se o presidente abrisse mão das consultorias, entre estas, a do RH, por exemplo, onde o custo mensal é de R$ 8 mil e demitisse alguns assessores que ganham próximo ou mais de R$ 7 mil. Daria para garantir o emprego de boa parte dos servidores comissionados.”

O edis tentaram de todas as formas empurrar as demissões para o mês de novembro, como de costume. Não obtiveram êxito. Tudo indica que, na sessão desta terça-feira (16), deve ficar acordado o seguinte: chefe de gabinete vai continuar mais um mês. Em novembro, ou será substituído por um assessor de salário mínimo ou o gabinete ficará sem atendimento ao público.

Para quantos são divididos os 451 votos de Poço de Pedra da base governista?

Escrito por Manacy Henrique em 13 de outubro de 2018

43411815_751721555170181_3738062642191794176_n

Para quantos são divididos os 451 votos de Poço de Pedra da base governista?

Em Poço de Pedra, dos votos válidos, Terezinha Maia teve 451. É razoável dizer que a vereadora Rayure Protásio convenceu 101 eleitores a votar na sua candidata e que igualmente fez o seu colega Nino. Por outro lado, é sensato também afirmar que as lideranças da base governista foram responsáveis por mais 148 dados a candidata do sistema.

Considerando os votos dos apoiadores, Miriam deu 8, Bá 35, Geovane 35, Calafange 25, Chapão 6, Brasiliano 17, Lili 8, Edivaldo 6 e Alzenira 8. Os 101 restantes caíram nas urnas motivados pelo prestígio do prefeito Paulinho Emídio e do ex-prefeito Jaime Calado.

Um possível erro de cálculo, depois de corrigido, com certeza não vai alterar o resultado final dos correligionários do prefeito. Sabe por quê? Porque não levei em conta 69 de Edson Valban e 77 de Enilton Silva obtidos nas eleições para prefeito de 2014.

Sem a soma dos dois líderes maiores e dos forasteiros, pois um é de Serrinha e outro de Barro Duro, a média é de 35 votos por liderança. Entenda-se também por liderança Rayure e Nino.

Na avaliação de alguns analistas, polarização com o grupo que apoio à candidatura de Mada Maia Calado fez cair à média. O pilotão petista, formado por aproximadamente 10 soldados, que foi comandado pelo suplente Galego de Venilza, deu 118 votos para a filha de Jaime.

Para Daniel Sales, liderança de Rayure, o trabalho foi feito e a votação, devido à circunstância do dia, foi a esperada. Uma das queixas de Sales foi que apenas 1.300 ou um pouco mais votaram. 400 aproximadamente deixaram de exercer o seu direito. Lembrando que os 350 votos foram divididos por 10.

No salto eleitoral do trampolim da Presidência da Casa dos Bons Homens Geraldo foi sempre melhor que Mendes

Escrito por Manacy Henrique em 12 de outubro de 2018

11174612_845926602121870_8068084604633312005_o

No salto eleitoral do trampolim da Presidência da Casa dos Bons Homens Geraldo foi sempre melhor que Mendes

Desde que saiu do poder, depois de dois mandatos consecutivos a frente da Presidência da Câmara de Vereadores de São Gonçalo do Amarante/RN, o ex-presidente Geraldo Veríssimo de Oliveira não teve ainda as suas marcas batidas pelo seu sucessor Raimundo Mendes Alves.

Como, por exemplo, abertura de processos de comunicação com a comunidade, investimento em tecnologia e transparência, menos burocracia, reforma, ampliação e mobília da Casa, valorização dos servidores, concurso público e mais espaço e voz para os segmentos organizados da sociedade, ou seja, mais interação entre a Casa Legislativa e o cidadão.

No quesito relacionamento, segundo alguns funcionários comissionados e efetivos, Mendes foi um comandante indiferente, frio e calculista. Não fez nada que pudesse conquistar pelo menos um dos votos do segmento.

Haja vista que apenas 2.017 são-gonçalenses o escolheram para deputado estadual. Enquanto 3.112 conterrâneos de Veríssimo disseram sim ao seu projeto de deputado estadual. É, pelo visto Mendes será esquecido por várias gerações.

Outra pecha que ficará pendura no pescoço político do presidente é a de ter antecipado a demissão de 133 servidores comissionados. Inclusive aqueles que sacrificaram as suas famílias para se dedicarem a sua campanha.

Diante do exposto, alguém tem coragem de duvidar que as marcas de Geraldo Veríssimo de Oliveira são imbatíveis considerando que o oponente seja Mendes? Ora, não levei em conta o comportamento político de Mendes nesta campanha comparado ao do ex-presidente com o prefeito Paulinho e Jaime Calado.

Câmara de São Gonçalo do Amarante vai devolver aos cofres públicos R$ 200 mil

Escrito por Manacy Henrique em 11 de outubro de 2018

43851596_1933712703590047_2594572726853173248_n

Câmara de São Gonçalo do Amarante vai devolver aos cofres públicos R$ 200 mil

Ivan, ex-funcionário está vendendo NATAL CAP

A Câmara de Vereadores de São Gonçalo do Amarante/RN publicou nesta segunda-feira (11) no Jornal Oficial do Município a exoneração de 133 funcionários comissionados. Ato da Mesa Diretora que surpreendeu a todos envolvidos, inclusive, a sociedade civil.

Para o vereador Edmilson Gomes, a medida administrativa foi tomada pelo presidente da Casa de Leis, Raimundo Mendes Alves, para não ultrapassa o limite prudencial. “Vale contrariar interesses outros para fechar as contas este ano com saldo positivo, argumentou o 2º secretário.

A decisão colocou os servidores comissionados em pé de guerra com a presidência. Já que as demissões, como de costume, só aconteciam no mês de novembro. Alguns parlamentares foram em defesas dos seus assessores pelo fato de eles terem contribuído para as suas eleições.

Porém, as demissões que causaram maior impacto na sociedade foram as de João Fernando e de Ivan Barbosa, este hoje é vendedor de NATAL CAP. Apesar do bom serviço prestado por ambos a todos na Casa e de também terem sido voluntários na campanha de deputado estadual de Mendes, não foram poupados.

Quem gastou muita saliva para evitar a demissão em massa foi o edil Clóvis Júnior. Até murro na mesa foi dado na tentativa de sensibilizar o presidente. Infelizmente, de nada adiantou. No final das contas, ficou acordado a indicação de um cargo em comissão para cada gabinete e seis para o da presidência.

Quanto à devolução de recursos para os cofres da Prefeitura de São Gonçalo do Amarante, vamos ter que esperar até dezembro. Entretanto, segundo Thiago Soares, o valor pode ser próximo de R$ 200 mil. Qualquer um pode pensar o quiser. É isso.

QUEM PERGUNTA, QUER SABER

Escrito por Manacy Henrique em 11 de outubro de 2018

 

42628042_552926331796616_7907768819026755584_n (1)

QUEM PERGUNTA, QUER SABER

Um dos grandes orgulhos da minha vida é ter no centro do meu coração um membro de umas das dinastias Carlos. E vou lutar para, a que teve início com Antônio de Vinu, pai da princesa Maria Elza Carlos de Góis, que a sucessão continue com eles.

Já a fundada pelo rei Abel Amorim, pai da princesa Gerlane Carlos, desde que eles assumiram o reinado de Almino Afonso/RN, nunca precisou da minha guarda. Apesar de eu ter morado na Casa do Estudante do Rio Grande do Norte com dois príncipes do soberano, os doutores Bernardo Amorim, deputado eleito, e Edmilson Amorim ex-presidente da Casa.

Meus amigos, a verdade é que algumas indicações de determinados políticos não atendem, principalmente, aos interesses da gestão pública, quando muito mal a política. Agora, imagine quando se trata de uma sobra de liderança. Ora, combinar voto e competência profissional não é fácil na administração pública.

Mas a enfermeira Gerlane Carlos mostrou, do Oiapoque ao Chui são-gonçalenses, leia-se Barro Duro a Rio da Prata, que é perfeitamente possível fazer essa combinação. Foram 195 votos dados ao seu irmão, Doutor Bernardo. De quebra, também jogou uns votinho nessas urnas para Zenaide, senadora eleita.

Então, Luciano Nascimento, será que está respondida a pergunta que fizeram a ti no Facebook e a mim no WhatsApp? Aliás, viu que foi com certa dose de veneno, quer dizer, insinuação. Pois bem, é isso aí. Quem pergunta, certamente, quer saber.

Adelson 373 x 43 Ivanildo: que jogo foi esse?!

Escrito por Manacy Henrique em 11 de outubro de 2018

43745384_1094839934020887_8736252956564783104_n

Adelson 373 x 43 Ivanildo: que jogo foi esse?!

Nem sempre o que escrevo chega de forma direta ao subconsciente de alguns internautas, dessa forma não consigo atingir o objetivo desejado na consciência deles. Por isso andam por aí confundindo alho e bugalho.

Vamos ao que nos interessa. Qual foi o atravessador de liderança que melhor teve desempenho nessa campanha que acaba de fechas as cortinas? É verdade que existe mais um ou dois, mas ninguém foi tão longe tanto quanto o vereador Adelson Martins (PV).

Haja vista que as urnas de Barreiros, não por acaso, ficaram abarrotadas de votos de Cristiane Dantas (PPL), candidata a deputada estadual eleita. Enquanto as de Elaine Neves (PRP), os votos cabiam na palma da mão de uma criança.

É isso, meus amigos. Acontece que a cultura do escravo político continua viva e há quem a defenda em nosso município. Trocando em miúdo, a liderança trabalha para dois, prefeito e vereador, e recebe apenas de um.

Ou seja, o parlamentar indica sua liderança para cargo em comissão e larga-o ao deus dará. É por isso que nas eleições muita gente parece estar gripada, consequentemente, faz corpo mole.

Tem que acabar com a figura do atravessador. A liderança de bairro tem que ter o acesso direto ao prefeito. Certa vez, já faz algum tempo, eu disse isso a Jaime Calado na frente de Rayure Protásio, ela reagiu assim: “Desse jeito você quer lascar a gente”.

Aos blogueiros, cujo assunto não domina, eu quero dizer que defendo esse desmembramento porque algumas lideranças transferiram essa responsabilidade para mim. Se eles continuarem recebendo de um e trabalhando para dois vão morrer de fome.

Portanto, vocês que criticam só para garantir o pão de cada dia eu não culpo ninguém pelo insucesso eleitoral de quem quer que seja, mas se não mudar o tratamento dado as lideranças estaremos sujeitos a mais decepções políticas e eleitorais. Martins deu a volta por cima, parabéns!

Imprudência econômico-financeira pode desempregar até 166 funcionários comissionados da Câmara Municipal de São Gonçalo

Escrito por Manacy Henrique em 10 de outubro e 2018

43677271_329134587636398_2410310177359134720_n

Imprudência econômico-financeira pode desempregar até 166 funcionários comissionados da Câmara Municipal de São Gonçalo

Notícia que levou vereador Adelson Martins a tomar soro

Não era para ser em outubro, e sim no mês de novembro, mas por perda do controle das rédeas financeiras o presidente Raimundo Mendes enfrentou os seus colegas e está demitindo hoje mesmo.

Segundo o advogado e vereador Clóvis Júnior, tinha uma saída para esses pais de família. Inclusive foi colocada no papel, mas não aceita por quem tem o poder de veto.

Redução das despesas seria o segredo do milagre para sanar o problema econômico-financeiro da gestão do atual gestor. Porém, ele não abre mão dos contratos de consultoria e assessoria. Apenas dois assessores jurídicos custam ao mês aproximadamente R$ 15 mil.

Há contrato de uma consultoria, por exemplo, que auxilia o já existente setor de RH, no valor R$ 8 mil. Esses profissionais são indicações da presidência e locados na estrutura da Casa de Leis.

Por outro lado, o presidente tem direito ainda, aprovado pelos seus próprios companheiros, dois cargos de assessor de comunicação e um chefe de gabinete ao custo de R$ 10 mil mensais.

A grande batalha do baixo clero da Casa dos Bons Homens, desencadeada desde ontem, é com o objetivo de reduzir esses custos da presidência. Com essa redução, cada gabinete ficaria com três funcionários e o presidente com onze.

O consenso tiraria as finanças da Câmara de Vereadores do limite prudencial e ainda evitaria a demissão de sessenta e seis funcionários comissionados, ou seja, apenas cem iriam pra casa mais cedo.

A notícia ruim é que haverá demissão em massa neste dia 10 de outubro, porém, a boa é que, mesmo recebendo pagamento proporcional aos dias trabalhados, quem recebe R$ 3,5 mil mensal, vai ter o pagamento majorado. Além dos 10 dias, tem mais 9/12 (nove doze avos) do 13º salário.

Atravessador de liderança política está com os dias contados

Escrito por Manacy Henrique em 9 de outubro de 2018

DSC_0464

Atravessador de liderança política está com os dias contados

Contra a bandidagem de correligionários políticos eu só tenho esta arma: a verdade.

Em sua última ceia eleitoral, o prefeito Paulinho Emídio foi acompanhado pelos seus 14 apóstolos políticos, quer dizer, parlamentares. Ao apagar das luzes três não esperaram pela sobremesa, botaram seus candidatos nas costas e foram bater penas pelas ruas, ruelas e becos de São Gonçalo do Amarante.

Do encontro, saíram lambendo os dedos Thiago Soares (PTC) e Edmilson Gomes (MDB). Trocando em miúdo, apenas sentiram o cheirinho (alô torcida do Flamengo) da vitória. Por outro lado, Adelson Martins (PV) até ontem ainda comemorava a eleição de Cristiane Dantas (PPL).

Todo e qualquer marisqueiro político são-gonçalense sabe de cor e salteado que remar contra a maré é contraproducente, ou seja, vai levar a lugar nenhum. E foi justamente o que aconteceu com o nosso projeto de eleger Terezinha Maia (PR).

Na prática, Paulinho era para pagar com a mesma moeda. Assim foi feito com o vice-prefeito Eraldo Paiva (PT) em 2014, lembram? Depois ele voltou e hoje ocupa o segundo cargo mais importante do município dado por nós mesmos. Ora, tem que fazer o que o líder faz e não o que ele manda!

Nesta campanha, Emídio foi bom para os amigos e ruim para ele mesmo. Basta contabilizar os votos dos funcionários comissionados que foram liberados e trabalharam para Albert Dickson, deputado eleito. Cristiane Dantas, também, eleita. Marconi Santos, por exemplo, salgou mais de 200 votos para o candidato a deputado federal Renato Fernandes.

Portanto, o vetor principal da derrota de Terezinha Maia, com algumas exceções, foi o atravessador de liderança. Esse tipo de pelego ainda está politicamente na era analógica e nós já estamos na digital. O voto está na casa do eleitor e não nos bolsos dos políticos.