“Diga-me com quem tu andas, e te direi que tu és”

- Escrito e publicado por Manacy Henrique em 20 de fevereiro de

????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

“Diga-me com quem tu andas, e te direi que tu és”

 

Tem ex-candidato a vereador que andou desfolhando a árvore política do PMDB, inclusive arrancou galhos e raízes, mas continua usando a sua sombra para curar a ressaca eleitoral de 2016.

Além disso, tem como trincheira para instigar alguns ex-companheiros um território sem lei, que é o Facebook. E pior: a sua munição é a deselegância, a desfaçatez e a ignorância.

Por isso, igual a seu candidato a prefeito, foi também derrotado nas urnas no último pleito. Mal passou de uma centena de votos. Como peladeiro tem meu respeito, já como militante das redes sócias é  politiqueiro, ou seja, não sabe fazer outra coisa se não politicagem.

Infelizmente, com a erupção da lava jato, não perdemos apenas as nossas grandes lideranças políticas, nem só dinheiro, com ela perdemos ainda a vergonha.

Ora, para mim, este caso é um exemplo clássico da lava jato. O “cara” está atolado até o pescoço com a justiça, a família acaba de perder uma ação para a Prefeitura de São Gonçalo, vez por outra, tenta trazer para o embate eleitoral outro condenado.

 

 

Pode pedi, mas não temos mais “filé-mignon” no cardápio da Câmara de Vereadores de São Gonçalo do Amarante

- Escrito e publicado por Manacy Henrique em 17 de fevereiro de 2017

16714098-732x446

Pode pedi, mas não temos mais “filé-mignon” no cardápio da Câmara de Vereadores de São Gonçalo do Amarante

Para a minoria dos vereadores são-gonçalenses, dois, talvez três, abrir mão da verba indenizatória, ainda mais a parte onde fica o “filé-mignon”, ou seja, do veículo e do combustível, por enquanto, vai ficar só na vontade.

Pasme, essa afronta está sendo encorajada por uma lei meia boca, apesar dos “gritos” do Ministério Público, esses gatos pingados podem influenciar mais um ou dois que estão em cima do muro.

A deliciosa verba indenizatória tem como objetivo ressarcir os valores gastos com despesas da atividade parlamentar, entre elas materiais de escritório e informática, gráfica, locação e manutenção de veículo, além do combustível.

Pois bem, o quilo deste “filé-mignon” mais o contrato do contador custam para os cofres públicos aproximadamente R$ 5 mil. Para atender a todos os 17 edis, como determina a lei, o gasto mensal é de R$ 85 mil. No fechamento do balanço anual o total da despesa é de R$ 1.020.000,00 (Hum milhão e vinte mil reais).

Felizmente, as principais lideranças da Casa dos Bons Homens, estes formam a maioria, estão fazendo um movimento contrário. Por isso, acredito piamente que, a partir deste mês, o “filé-mignon” não faça mais parte do cardápio da Câmara Municipal de São Gonçalo.

RAYURE TROCA O DISCURSO POLÍTICO POR AÇÕES VISANDO MELHORAR A SEGURANÇA DA ZONA RURAL

16730418_1240903209335431_6921434572813396173_n

 

Um dos motivos que levou a parlamentar a tratar do assunto pessoalmente, foi a insegurança que tem tirado o tranquilidade dos são-gonçalenses que dependem dos acessos para chegarem ao Centro de São Gonçalo.

Os pequenos comerciantes, os agricultores, os criadores e o cidadão comum da zona rural estão pedindo socorro a quem de verdade pode socorrê-los. Esses são vítimas diárias da falta da presença do Estado.

Segunda a vereadora, a iluminação e as boas condições de tráfegos das estradas para quem mora nas comunidades rurais, é um pré-requisito para melhorar a Segurança Pública. Para ela, não se combate a criminalidade só com ação policial.

Por isso, ao invés de requerimento, botou o ofício embaixo do braço e foi cobrar providências. Na oportunidade, também foi ouvida pelo secretário adjunto Márcio Soares. A jovem vereadora saiu do encontro com a certeza de que o seu pedido será atendido.

 

Os discursos políticos não têm poder de cobrança

- Escrito e publicado por Manacy Henrique em 15 de fevereiro de 2017

16665027_371871696517158_2149077704146624321_o

Os discursos políticos não têm poder de cobrança

 

“Qual é a solução para o problema?”, perguntou o vereador “Nino”.

As falas dos vereadores são-gonçalenses que acalentam as vítimas da bandidagem, infelizmente, não apontam uma saída para, pelo menos, amenizar a violência que invade as nossas casas.

Pois na última sessão ordinária realizada na terça-feira, 14, ficou evidente que os discursos, inclusive, dos parlamentares que atuaram profissionalmente na área de Segurança Pública, estão longe de apresentar uma solução para o problema.

Infelizmente, a estratégia da crítica para cobrar das autoridades responsáveis o compromisso de proteger os cidadãos, assegurado pela Constituição Federal,  dos bandidos está desgastada e sem efeito, principalmente, quando é usada pelos agentes políticos que dão sustentação a um governo alvo dos apelos.

Portanto, apontar culpados de forma aleatória é um gesto que pode ser comparado ao de alunos de pedagogia infantil. Vamos sair do discurso político e entrar de cabeça no de Política Pública de Segurança.

A visita de Amaro Sales, presidente da FIERN, é elogiada pela Câmara de São Gonçalo

- Escrito e publicado por Manacy Henrique em 14 de fevereiro de 2017

16722632_10212827974724338_2607814732017526360_o

A visita de Amaro Sales, presidente da FIERN, é elogiada pela Câmara de São Gonçalo

A qualificação da mão de obra são-gonçalense e das cidades circunvizinhas é o principal compromisso, segundo o vereador Geraldo Veríssimo, do Centro de Educação do SENAI e também da Escola de Ensino Básico do SESI que funcionaram no prédio em reforma do Sistema FIERN.

O parlamentar Adelson Martins questionou o fato de a Casa Legislativa ter aprovado a concessão de uma área para a construção do prédio do SENAI e de repente o mesmo ser construído em outro lugar. O ex-presidente informou que depois de dois anos, já que a instituição não usou o terreno, este é devolvido ao município.

Além disso, afirmou que é de grande importância o novo espaço escolhido para a implantação das escolas, pois vai abraçar a comunidade do Mangueirão, que fica localizada numa das áreas mais carentes do bairro de jardim Lola.

A área da reforma mede 4.300m². Além de ter a estrutura da maioria das escolas do Sistema FIERN, terá também instalações para às atividades de ensino, pesquisa e prestação de serviços dos Centros de Educação e Tecnologia do SENAI.

O vereador Veríssimo e o seu colega Doutor Clóvis Júnior parabenizaram a iniciativa do vice-prefeito de São Gonçalo do Amarante, RN, Eraldo Paiva, como representante do prefeito Paulinho na visita as obras da nova escola do SENAI, de tê-los convidados para acompanhá-lo.

 

 

Os partidos “pequenos” vão tornar grande a pré-candidatura de Jaime Calado ao governo

Escrito e publicado por Manacy Henrique em 12 de fevereiro de  2017

 

 

Os partidos “pequenos” vão tornar grande a pré-candidatura de Jaime Calado ao governo

14524472_10211366755834779_6717297230645705492_o

O Partido dos Trabalhadores (PT) de São Gonçalo do Amarante, RN, deve, mais uma vez, fazer ouvido de mercador e lançar a pré-candidatura do presidente estadual Eraldo Paiva para deputado nas próximas eleições.

As últimas viagens do vice-prefeito do município são-gonçalense para o lançamento da Frente Brasil Popular têm chamado atenção de alguns olheiros políticos adversários e correligionários do ex-prefeito Jaime Calado.

É possível que os partidos “chamados pequenos” entre esses o PMB e mais o PT abracem pra valer a pré-candidatura de Jaime Calado ao governo do Rio Grande do Norte.

O resultado eleitoral do PMB, por exemplo, conseguido no último pleito para vereador no Estado deve colocar Mendes também nessa disputa. Não tenho dúvidas que são dois bons nomes para fortalecer o nosso projeto político, quero dizer, da nossa gente.

Esta aliança partidária é sonhada por mim e por todos os amigos que ajudaram a colocar o município nos trilhos do desenvolvimento e também pela deputada federal Zenaide Maia, pois justificativa política para isso ela deu de sobra.

Quero votar no ex-prefeito de São Gonçalo Jaime Calado para governador

- Escrito e publicado por Maancy Henrique em 10 de fevereiro de 2017

1912509_355990364572518_8839837239576220273_n

Quero votar no ex-prefeito de São Gonçalo Jaime Calado para governador

Quem é bom, é bom em qualquer lugar

Hoje sou cidadão são-gonçalense graças à gentileza do ex-presidente da Câmara de Vereadores de São Gonçalo do Amarante, RN, Jessé Tavares de Morais, pois foi ele o autor da honraria.  E como tal quero votar no ex-prefeito Jaime Calado para governador.

E Robinson Faria? E Carlos Eduardo? Este como patrão é para ser esquecido por muitas gerações, pois como funcionário da prefeitura de Natal, RN, eu tenho muitas queixas. Falar sobre o governador é jogar conversa ao vento.

Eu quero o voto para Jaime Calado dos são-gonçalenses que elegeram Paulinho Emídio e que voltaram contra a construção da adutora, do Campus do Polo Universitário Doutor Ruy Pereira dos Santos, do Residencial Doutor Ruy Pereira, do Conjunto Habitacional Novo Padre João Maria e do IFRN.

A história de Parnamirim mudou para melhor porque o seu povo teve a humildade e a inteligência de não exigir de Agnelo Alves a sua certidão de nascimento. E o ex-prefeito conseguiu que o município avançasse em oito anos o que levaria oitenta.

Esta é a grande marca administrativa dos mandatos consecutivos de Jaime a frente da Prefeitura de São Gonçalo Amarante. Avançar sempre era a ordem. A época contou com a parceria apenas do Governo Federal.

Que rompem os tambores! A partir de hoje eu vou pedir voto para Jaime Calado ser governador do Rio Grande do Norte! Então, que tal começar por você presidente Raimundo Mendes Alves?

 

 

 

 

Basta Paulinho Emídio balançar a cabeça e terá o apoio dos 17 vereadores

- Escrito e publicado por Manacy Henrique em 10 de fevereiro de 2017

11717556_449661038538783_6261337079849259717_o

Basta Paulinho Emídio balançar a cabeça e terá o apoio dos 17 vereadores

A reunião plenária realizada nessa quinta-feira, 9, na Câmara Municipal de São Gonçalo do Amarante, RN, foi dominada pelos assuntos pessoais, apesar da   relevância da pauta de votação.

O ex-presidente da Câmara de Vereadores de São Gonçalo do Amarante, RN, Geraldo Verissimo de Oliveira fez, embora de forma indireta, o seguinte de desafio: “Ninguém é doido de deixar este governo”.

Por isso o comunista entende como um grande equívoco da assessoria do prefeito de São Gonçalo do Amarante, Paulinho Emídio, a falta de atenção para com o grupo político que dá sustentação ao prefeito na Casa Legislativa.

O parlamentar acha importante sempre que o prefeito for fazer visitas, além dos secretários, pelo menos os vereadores do bairro sejam convidados. “Até Tarcísio, vereador de oposição, se for convidado vai”, disparou Geraldo. O peessedebista concordou.

Chanxe discordou do comunista e disse que Paulinho poderia ir às obras sem convidá-lo, pois Jaime fez isso por quatro anos. Adelson Martins fez das palavras do seu colega as suas. “Não quero participar de inauguração desse governo, eu só quero que me mantenham vivo”, retrucou o parlamentar.

“Eu não sei do que vocês estão reclamando, votaram em Paulinho para continuar o trabalho de Jaime”, aparteou Nino. O peemedebista lembrou que saiu do governo para garantir a sua reeleição, já que nenhum partido liderado pelo ex-prefeito aceitou a sua filiação.

Pelo visto, nas ultimas sessões,  o discurso da oposição tem sido de quem vai vestir a camisa do time de Paulinho. Eudócio não falou nem no pequeno e nem no grande expediente, mas quem cala concentre.

A Câmara Municipal de São Gonçalo vai pagar o 13 salário

- Escrito e publicado por Manacy Henrique em 9 de fevereiro de 20147

16710455_10212784539638488_1345231950_o

 

A Câmara Municipal de São Gonçalo  vai pagar o 13 salário

Mendes entra para história como primeiro presidente a pagar o décimo terceiro salário dos cargos comissionados

Apesar da resistência da minoria dos vereadores são-gonçalenses, numa reunião a portas fechadas, foi decidido que os cargos comissionados, a partir deste ano, vão ter direito ao décimo terceiro salário.

O assunto não é nenhuma novidade nos corredores da Casa Legislativa e muito menos nas páginas da imprensa do município, pois no primeiro ano de mandato da legislatura passada o presidente Mendes tentou consertar esse erro histórico, mas foi impedido pelo corporativismo parlamentar.

Agora, não tem jeito, o Ministério Público botou a faca no pescoço da Casa dos Bons Homens.  Por isso, será obrigada a cortar na própria carne, ou seja, terá que abrir mão de um direito que para a classe do trabalhador é considerado imoral, embora seja legal.

O povo não custeará mais o carro e nem o combustível para o vereador ir e vir. Se o edil quiser dá seu expediente tem que ser no seu veículo particular, além disso, terá também que bancar a gasolina, álcool ou o óleo diesel do seu próprio bolso.

Esta foi a saída encontrada pelo Poder legislativo para, na condição de empregador, cumprir com as suas obrigações trabalhistas dos seus pupilos. Infelizmente foi preciso um empurrão da Justiça  para moralizar essa relação.

 

A Câmara Municipal de São Gonçalo vai pagar o 13 salário

- Escrito e publicado por Manacy Henrique em 9 de janeiro de 2017
16710455_10212784539638488_1345231950_o
A Câmara Municipal de São Gonçalo vai pagar o 13 salário
Mendes entra para história como primeiro presidente a pagar o décimo terceiro salário dos cargos comissionados
Apesar da resistência da minoria dos vereadores são-gonçalenses, numa reunião a portas fechadas, foi decidido que os cargos comissionados, a partir deste ano, vão ter direito ao décimo terceiro salário.
O assunto não é nenhuma novidade nos corredores da Casa Legislativa e muito menos nas páginas da imprensa do município, pois no primeiro ano de mandato da legislatura passada o presidente Mendes tentou consertar esse erro histórico, mas foi impedido pelo corporativismo parlamentar.
Agora, não tem jeito, o Ministério Público botou a faca no pescoço da Casa dos Bons Homens. Por isso, será obrigada a cortar na própria carne, ou seja, terá que abrir mão de um direito que para a classe do trabalhador é considerado imoral, embora seja legal.
O povo não custeará mais o carro e nem o combustível para o vereador ir e vir. Se o edil quiser dá seu expediente tem que ser no seu veículo particular, além disso, terá também que bancar a gasolina, álcool ou o óleo diesel do seu próprio bolso.
Esta foi a saída encontrada pelo Poder legislativo para, na condição de empregador, cumprir com as suas obrigações trabalhistas dos seus pupilos. Infelizmente foi preciso um empurrão da Justiça para moralizar essa relação.