O que há por trás da solidariedade de alguns políticos e gente da imprensa a padre Felipe Anderson é uma montanha de cinismo

 

- Escrito e publicado por Manacy Henrique em 25 de junho de 2016

13466307_1116545138403995_5021512682642587118_n

Banner_São-Joaquim_Site-Fala-RN_Fev-20151

O que há por trás da solidariedade de alguns políticos e gente da imprensa a padre Felipe Anderson é uma montanha de cinismo

Não só os partidos, mas também as Casa do Senhor estão cheias de Satanás

A maioria das publicações solidárias ao padre Felipe, para mim, não deve ser entendida como um ato de fé cristã, mas sim de fé eleitoral. Não é preciso colocar pelo averso o coração dos seus autores para encontrarmos a prova desse pecado.

Entretanto, naturalmente não me refiro ao pecado original transmitido aos homens sem culpa própria, e, sim, ao pecado venial. Este cria obstáculos intransponíveis para a alma na prática do bem moral.

Tudo indica que foi criado um boato para fomentar a pré-campanha eleitoral, pois, segundo o que li, até agora a Igreja Católica não se manifestou sobre o assunto. É nesse vaco que alguns pré-candidatos a prefeito, a vereador, lideranças, blogueiros e jornalistas tentam vestir a toga de advogado do diabo.

Certamente o povo do de Santo Antônio do Potengi vai saber dar a resposta nas urnas a esses políticos que fazem pouco da sua arte, da sua cultura e da sua religiosidade. Por isso, minha solidariedade é para o povo de Santo Antônio. Não temo aqueles do poder  em afirmar que esse tipo de comportamento politiqueiro me causa ojeriza.

Todos nós sabemos que na história dos pactos entre a Igreja Católica e o Estado fizeram muito mal ao povo ignorante e especialmente aos pobres.  Portanto, com todo respeito, a igreja e seus representantes são-gonçalenses têm contribuído, sobremaneira, para esse tipo de constrangimento.

 

 

Ex-ministro Paulo Bernardo recebeu mais de R$ 7 milhões em propina, dizem investigadores

 

- Publicado por Manacy Henrique em 24 de junho de 2016

paulo_bernardo

Banner_São-Joaquim_Site-Fala-RN_Fev-20151

Ex-ministro Paulo Bernardo recebeu mais de R$ 7 milhões em propina, dizem investigadores

Fraude em crédito consignado desviou R$ 100 milhões entre 2010 e 2015

23/06/2016 – 16h00

Renato Onofre e Cleide Carvalho, O Globo

O esquema de fraudes que levou à prisão o ex-ministro Paulo Bernardo, marido da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), nesta quinta-feira, movimentou R$ 100 milhões em propinas entre 2010 e 2015 com um único convênio para gerenciamento e controle dos empréstimos consignados tomados por servidores públicos federais, fechado pelo Ministério do Planejamento. Segundo a investigação, Paulo Bernardo recebeu mais de R$ 7 milhões relativos ao negócio firmado em sua gestão como ministro do Planejamento e continou a receber mesmo depois de ter assumido o Ministério das Comunicações, em 2011.

Paulo Bernardo recebeu a propina por meio de um escritório de advocacia, que ficou com 20% do valor. O escritório repassou cerca de R$ 5,6 milhões por meio de compra de bens, como lofts e garagens, e ações defendidas na Justiça Eleitoral.

A licitação do sistema de gestão dos empréstimos foi direcionada à Consist, num acordo firmado em 2009 que envolveu também os ex-tesoureiros do PT João Vaccari Neto e Paulo Ferreira, marido de Tereza Campelo, a ex-ministra do Desenvolvimento Social no governo Dilma. Cerca de dois terços da propina eram direcionados ao partido. O caso foi revelado pelo GLOBO em agosto do ano passado.

A cada Real, R$ 0,70 de proprina

Para cada mensalidade paga pelo tomador do empréstimo, a Consist, cobrava R$ 1, dos quais apenas R$ 0,30 correspondia de fato ao custo de seus serviços. O restante – R$ 0,70 – correspondia a propina distribuída a pessoas que integravam do primeiro ao terceiro escalão do Ministério do Planejamento.

 

Mara Gabrilli: ‘Romário trocou voto no impeachment por cargo’

 

- Publicado por Manacy Henrique em 23 de junho de 2016

 

romario_CBF

 

Banner_São-Joaquim_Site-Fala-RN_Fev-20151

Mara Gabrilli: ‘Romário trocou voto no impeachment por cargo’

POR GUILHERME AMADO

23/06/2016 06:05

 

A deputada Mara Gabrilli não gostou da forma como ocorreu a nomeação da ex-deputada Rosinha da Adefal para a Secretaria da Pessoa com Deficiência.

Sem frear as palavras, Mara afirma que a nomeação foi um acordo do Palácio do Planalto com o senador Romário em troca do voto dele no impeachment de Dilma Rousseff.

A nomeação foi publicada na segunda-feira no Diário Oficial da União.

Diz Mara Gabrilli:

— Romário trocou o voto no impeachment por este cargo. Ele, que se diz honesto, está fazendo o jogo mais podre da política. Fez barganha de voto. Depois de dizer publicamente que poderia votar a favor de Dilma, foi ao Planalto, esteve com o presidente Temer e pediu o cargo. Logo depois, como recompensa, a indicada dele se torna secretária.

Mara também coloca em xeque o envolvimento de Romário com a causa das pessoas com deficiência:

— Ele é um militante porque tem uma filha com síndrome de Down. Mas não é um militante técnico, não tem conhecimento aprofundado sobre o assunto. Quando se pergunta uma coisa para ele, ele não sabe. Romário usa a causa das pessoas com deficiência para autopromoção.

Mara também mira em Michel Temer:

— Ao aceitar esse tipo de jogo, o presidente mostra pouca sensibilidade para a causa das pessoas com deficiência. É lamentável.

Mara, cadeirante e militante da causa das pessoas com deficiência, a exemplo de Romário, havia indicado a jornalista Flávia Cintra, mas já vinha apoiando outro militante, Marco Pellegrini, para o cargo.

ZENAIDE MAIA COMEMORAÇÃO DOS FABRICANTES DE REFRIGERANTES E GARANTE CONTINUAR NA LUTA PELA PROIBIÇÃO DA VENDA DO PRODUTO NAS ESCOLAS

 

- Publicado por Manacy Henrique em 23 de junho de  2016

zenaide_ato

Banner_São-Joaquim_Site-Fala-RN_Fev-20151

ZENAIDE MAIA COMEMORAÇÃO DOS FABRICANTES DE REFRIGERANTES E GARANTE CONTINUAR NA LUTA PELA PROIBIÇÃO DA VENDA DO PRODUTO NAS ESCOLAS

 

A Coca-Cola, a PepsiCo e a Ambev (fabricante do Guaraná Antártica, Soda e Sukita) anunciaram nesta quarta-feira (22), através de um comunicado para imprensa, que vão deixar de vender refrigerantes para escolas com alunos de até 12 anos de idade.

O comunicado deixou a deputada federal Zenaide Maia (PR/RN) muito surpresa e feliz. No início desse mês, Zenaide Maia relatou e aprovou, como membro da Comissão de Seguridade Social e Família – CSSF, na Câmara Federal, o Projeto de Lei número 1.755/07 que dispõe sobre a proibição da venda de refrigerantes em escolas de educação básica, como um grande passo na redução da obesidade infantil, um dos grandes problemas de saúde enfrentados hoje em nosso País.

“O Projeto de Lei do deputado federal Fábio Ramalho foi apresentado em 2001. Depois de quinze anos resolvemos tirar da gaveta e fizemos o resgate do PL e conseguimos aprovação dos deputados da CSSF. Agora o PL segue para aprovação em outras comissões. E, mesmo diante dessa posição dos fabricantes, vamos continuar acompanhando para que a Lei seja homologada e cumprida”, garantiu Zenaide Maia.

Segundo as três empresas, os refrigerantes devem parar de ser vendidos nas escolas a partir de agosto. No lugar da bebida, serão vendidos nas cantinas escolares apenas água mineral, suco com 100% de fruta, água de coco e bebidas lácteas que atendam a critérios nutricionais específicos. Novos produtos lançados pelas empresas poderão ser incluídos, no futuro, seguindo essas referências.

 

 

NOTA DE ESCLARECIMENTO

 

- Publicado por Manacy Henrique

 

 

13521869_1800647713499333_1871017235389870281_n

Banner_São-Joaquim_Site-Fala-RN_Fev-20151

 

Jornalista Ledson França

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Prefeitura de São Gonçalo do Amarante vem a púbico esclarecer que encaminhou para aprovação na Câmara Municipal um Projeto de Lei que destina recursos do SAAE para a contrapartida da obra da nova adutora de São Gonçalo, com garantia de água suficiente para os próximos 50 anos.

O município precisa da aprovação desse projeto para fazer o repasse da contrapartida do município, e a Caixa Econômica Federal liberar o restante do valor para conclusão da obra, já com 92% pronta. Portanto, acrescenta que votar contra o projeto é votar contra o desenvolvimento do município, contra a melhoria dos serviços de distribuição de água tão necessária para o cidadão.

Sem a aprovação desse projeto o povo de São Gonçalo pode presenciar o atraso de uma obra de 80 milhões, construída em parceria com o Governo Federal, além de trazer prejuízos financeiros ao município. A Prefeitura Municipal conta com a colaboração e sensibilidade dos vereadores para aprovação desse importante projeto de segurança hídrica.

 

Após levar o “drible da vaca” da oposição a situação faz uma foto para a posteridade

 

- Escrito e publicado por Manacy Henrique em 22 de junho de 2016

13511056_898553503583756_109596780592618228_n

Banner_São-Joaquim_Site-Fala-RN_Fev-20151

Após levar o “drible da vaca” da oposição a situação faz uma foto para a posteridade

 

A reação da maioria dos “liderados” do prefeito não foi em legítima defesa

Há quem acredite que a bem sucedida manobra feita pela oposição que obstruiu a votação do projeto de lei de autoria do executivo, que autoriza a transferência de ativos da Prefeitura para o SAAE, só foi possível devido ao “corpo mole” feito pela situação.

Senão, por que então nenhum dos vereadores da base aliada do prefeito Jaime Calado lembrou-se que a falta de quórum beneficiaria a estratégia dos oposicionistas, hein? Com todo respeito, mas isso me pareceu uma falta de atenção induzida.

Ora, ora a simples ausência do vereador Eraldo Paiva, presidente do Partido dos Trabalhadores, em plenário, deveria ter ativado o despertador de desconfiança dos colegas da situação. Principalmente de Valda Siqueira, líder do governo.

Outra oportunidade que poderia ter evitado o constrangimento político imposta ao governo pela bem articulada oposição, caso alguns dos situacionistas não ficassem chupando o dedo, foi a saída lateral do parlamentar Nonato Queiroz da reunião plenária.

Mais uma vez o ex-presidente Geraldo Veríssimo, fazendo às vezes de líder da oposição, ocupou a tribuna e cumpriu o seu papel. Desconfio que o desvio do assunto foi de propósito para que Chanxe Dantas pudesse atirar com bala de prata, entretanto, como Veríssimo não é nem um lobisomem nada aconteceu. Sinto muito, mas essa “pegadinha” já está manjada.

É pra chorar ou pra rir? Apesar da importância do projeto para atual administração e para futuro do município, em plenário, a maioria dos vereadores parecia que estava na praça dando milho aos pombos.

 

 

 

Aposentadoria: 1 em cada 5 brasileiros vai trabalhar até morrer se idade mínima for aprovada

 

- Publicado por Manacy Henrique em 21 de junho de 2016

6oru3czj5i_3icrm49y2n_file

Aposentadoria: 1 em cada 5 brasileiros vai trabalhar até morrer se idade mínima for aprovada

Hoje, 28% dos homens e 15% das mulheres não chegam aos 65 anos, apontam dados do IBGE

 Um em cada cinco brasileiros morre antes atingir os 65 anos, idade que pode se tornar a mínima para a aposentadoria no Brasil tanto para homens como para mulheres. O número consta da Tábua de Mortalidade, utilizada pelo Ministério da Previdência para estabelecer o fator previdenciário.

A taxa, calculada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), refere-se ao ano de 2014. De acordo com o órgão, 22% dos brasileiros (28% dos homens e 15% das mulheres) não chegaram aos 65 naquele ano — o percentual, no entanto, tende a melhorar nos próximos anos com o aumento da expectativa de vida.

A proposta de fixar a idade mínima de 65 anos para aposentadoria foi cogitada pela gestão do presidente interino Michel Temer e está em discussão no grupo de trabalho criado pelo governo, no mês passado, para debater a reforma da Previdência.

A comissão é coordenada pelo Ministério da Casa Civil e conta com participação de centrais sindicais.

Hoje, além da opção de aposentadoria aos 60 anos para mulheres e 65 anos para homens, o trabalhador pode obter o benefício com qualquer idade desde que complete o tempo mínimo de contribuição (30 anos no caso das mulheres e 35 anos no caso dos homens).

No ano passado, segundo dados da Previdência, 28% das aposentadorias concedidas foram para trabalhadores que ainda não poderiam se aposentar por idade, mas que já tinham cumprido o tempo mínimo de contribuição.

Caso a proposta de idade mínima estivesse valendo, esses trabalhadores teriam de esperar mais alguns anos para conquistar o benefício.