‘Janela Partidária de 2018’: não vai dar para os dois vereadores do PTC são-gonçalense fugirem por ela

- Escrito por Manacy Henrique em 17 de fevereiro de 2018

26730648_185512285370626_615574466605246358_n

‘Janela Partidária de 2018’: não vai dar para os dois vereadores do PTC são-gonçalense fugirem por ela

Vão ter que ficar onde Márcia Soares (PTC) nunca pensou de sair

O andarilho partidário e presidente do Partido Trabalhista Cristão (PTC), Marconi Santos, deverá ser obrigado a desfazer a sua mala e também as dos parlamentares Thiago Soares (PTC) e Pablo Rodrigo (PTC), pois ambos correm risco de perder de mandato se viajar até o Podemos (PODE) na carona da ‘janela partidária de 2018’.

Mesmo que a punhalada pelas costas no seu partido seja dada com a justificativa de justa causa para que os dois disputem a eleição de deputado federal ou estadual. A legislação que criou a brecha na regra da fidelidade partidária, para alguns especialistas, limita-se aos deputados.

Por outro lado, Santos pode satisfazer seu desejo e dos demais filiados Calafange, por exemplo, que não são detentores de mandado, e dar continuidade ao seu movimento divisionista. Neste caso, não correm risco nenhum se eleitos.

Os mandatos do presidente, sem exceção, segundo algumas vítimas das últimas eleições, são conduzidos com mão de ferro. É claro que não está sozinho nesse tipo de maquinação eleitoral. Para quem não se lembra, O PTC foi um forno de intrigas para os aliados do grupo político que ajudou eleger Paulinho Emídio.

Insensível às causas políticas e eleitorais democráticas, volta e meia, ele surge com uma novidade ditatorial. Se tivesse usado a sua inteligência a favor do interesse da maioria, certamente, não carregaria essa pecha. Não sabe ele que a curva que tenta usar para isolar um mandado em mais um projeto excludente é perigosíssima.

Deixe um Comentário


3 + seis =