Líder de governo na Câmara de São Gonçalo é um cargo ocioso

1558473_345075902330631_2250638021438984533_n

Líder de governo na Câmara de São Gonçalo é um cargo ocioso

As trincheiras da Câmara Municipal de São Gonçalo do Amarante (RN), por uma questão de justiça ao histórico de batalhas travadas em defesa dos governos do ex-prefeito Jaime Calado e de Paulinho Emídio nos últimos dez anos, os vereadores Edmilson Gomes e Edson Arcanjo da Silva, o Nino, deveriam se alternar na função.

Entretanto, não fosse a estratégia adotada por Jaime e Paulinho da lei do mais forte para evitar ciúme político ente os governistas, esses seriam os melhores nomes para tomarem as dores da bancada.

Aliás, num dos raros momentos que eles estiveram em campos opostos, sem sair do quadrado do poder, o governo perdeu uma votação pelo placar de 11 a 5. O vereador republicano Chanxe Dantas estava ausente.

Um dos votos contra foi de Gomes. Nino votou a favor do pedido do prefeito para remanejar 30% do orçamento de 2019, já o pastor e mais dez deram não.

Nesses banquetes antropofágicos que acontecem dentro da própria base, a grosso modo o governo é imobilizado por interesses não comuns, ou seja, alheios ao púbico. Por isso o recuo é sempre imediato.

Também uma oposição construída de sonolentos, órfã de um líder político e sem poder para mobilizar a tropa do governo contribui sobremaneira para a ausência de uma liderança. Apesar do episódio do orçamento, a alternativa é continuar com os dois voluntários da pátria, quer dizer, do governo.

Deixe um Comentário


+ 1 = dez