Poti Neto e uma pré-candidatura de dois gumes

Escrito por Manacy Henrique em 18 de abril de 2018

16603034_1290648814355459_4947344900299867327_n

Poti Neto e uma pré-candidatura de dois gumes

Ter os amigos sempre em volta nas rodas sociais criadas no Facebook é sempre bom, mas isso não garantirá a ninguém, especialmente, ao pré-candidato a deputado estadual Poti Neto o sucesso da sua suposta pré-candidatura.

E não precisa ser “expert” em política partidária são-gonçalense para saber que a maioria com quem ele troca figurinhas nas redes sociais, com todo respeito aos que pensam o contrário, é formada por um punhado detraidores e também comprometidos.

A professora Tereza Fernandes, sua vice na última eleição, por exemplo, vai de Gustavo Carvalho, como também seu irmão, o parlamentar Tarcísio. Os vereadores Edmilson Gomes e Nino saíram do pleito amarrados a outro compromisso político.

Da tradicional família Tavares não escapou nem o ex-presidente da Câmara Municipal Jessé Tavares de Morais. Dos suplentes de maior potencial eleitoral saído das urnas da eleição ganha por Paulinho Emídio, Adriano Queiroz trabalha a quatro mãos para reeleger Ricardo Mota.

Os enturmados politicamente, entre esses, Jadismar Lima pelo menos na disputa que se aproxima seguem caminho próprio. Já os mascarados vão enganar a todos. Ele ainda pode ser surpreendido dentro da própria família, pois o tio e ex-vereador Alexandre Cavalcanti surfa na onda dos Mota.

E Neto sabe que o tiro pode sair pela culatra se o objetivo tem como fim estratégico testar seu potencial eleitoral para as eleições de 2020. Após a sua derrota, restaram poucas Kátia Guimarães, Cinthia Ferreira Cavalcanti e quase nada dos Paulo Tarcísio Cavalcanti.

Deixe um Comentário


9 − sete =