Presidente Mendes e a terceirizada ASPEC fracassam na recontratação dos servidores comissionados

Escrito por Manacy Henrique em 9 de novembro de 2018

45697048_764298733918731_465844681343762432_n

Presidente Mendes e a terceirizada ASPEC fracassam na recontratação dos servidores comissionados

A Câmara de Vereadores de São Gonçalo do Amarante (RN) administrativamente, em toda a sua historia, jamais passou pelo constrangimento de ser acusada de enganar para botar a mão no que não lhe pertence por direito.

Com certeza que a pressa para gastar aproximadamente R$ 300mil com empregos relâmpagos derrubou a tese imediatista dos técnicos diplomados em gestão pública, do quadro ou não, da Casa dos Bons Homens. Além disso, colocou mais uma vez em cheque a credibilidade administrativa do seu presidente.

Para alguns leigos, quer dizer, sem diploma de gestor público, soou estranho prestar serviço na Casa de Leis são-gonçalense com um contrato vinculado a Câmara Municipal de Tangará (RN). Pense num atalho que empurrou os sabidos para a vala comum.

Diante o exposto, cabe a pergunta: onde estava a assessoria jurídica contratada a peso de ouro para defender os interesses da gestão? Caso tenha acompanhado o processo de recontratação, cometeu uma falha profissional passível de demissão.

A terceirizada ASPEC é uma ilusionista de quinta categoria, mesmo assim, convenceu centenas de pessoas a entrarem numa fila para coisa nenhuma. Na entrevista, pergunta clássica: você pretende ganhar quanto? E pior, não há mais tempo legal para encontrar uma saída, ou seja, este ano ninguém entra e nem sai do lugar que um dia foi chamado por certo segmento da imprensa são-gonçalense de Casa de Prostituição.

Enfim, resta saber qual o destino que será dado aos R$ 300 mil que seriam gastos com a folha de pagamento. A sociedade ansiosamente espera que sejam devolvidos para os cofres da Prefeitura de São Gonçalo do Amarante.

Deixe um Comentário


+ quatro = 7