Procuradora nomeada pelo presidente Mendes tem salário maior que a demitida

Escrito pot Manacy Henrique em 13 de novembro de 2018

37113477_1440980436047575_7943550797160120320_n

Procuradora nomeada pelo presidente Mendes tem salário maior que a demitida

“Mendes disse uma coisa, fez outra”, afirmação de um dos seus admiradores.

A Câmara de Vereadores de São Gonçalo do Amarante, RN, chegou à última semana das eleições à beira do abismo do limite prudencial, ou seja, inchaço na folha de pagamento de pessoal. Para não ser laçado pela Lei de Responsabilidade Fiscal, o presidente Raimundo Mendes Alves demitiu todos os servidores comissionados.

Alegou que a medida teve como objetivo único contenção de despesas. Foi pressionado pelos funcionários comissionados e por alguns dos colegas, mesmo assim, não recuou. Porém, conformou os contrários dizendo que ele cortaria na própria carne, isto é, muitos dos seus indicados também perderiam o emprego.

Infelizmente, não foi bem assim. O caso das procuradoras o coloca em grandes dificuldades, já que o acordo para as demissões foi suprimir despesas. Doutora Nayara Nunes Ferreira (procuradora adjunta) demitida ganhava um salário mensal de R$ 6 mil. Doutora Ilana Karina Silva dos Santos Santana (procuradora geral) nomeada com um salário mensal de R$ 6,5 mil.

Outra vítima dos golpes administrativos do faixa preta presidente foi o blogueiro Fred Braga. Ela ainda era pré-candidato a deputado federal, quando reduziu o salário do assessor para atender os caprichos de determinados apoiadores de sua campanha do município vizinho. Para disputar a proporcional de estadual, como Pedro, disse três vezes não ao Prefeito Paulinho.

O presidente está muito mal também no item transparência, haja vista que o Portal da Transparência da Câmara Municipal ainda não é possível acessar as folhas de pagamentos dos meses de agosto e setembro pelo menos até ontem, segunda-feira (12), foram inúteis as minhas tentativas e de alguns colegas da imprensa. A do mês de outubro, sim.

Enfim, para fechar essa história administrativa mal assombrada da Casa dos Bons Homens protagonizada pelo seu conde, vou tentar relatar o golpe de misericórdia dado por Meu Senhor em uma colega. Atentem, quando aplicado a humanos, o golpe é uma execução. Uma amiga em comum estava empregada na prefeitura, ele a convidou para trabalhar na estrutura da Casa de Leis. Agora foi demitida e não tem como ser recontratada pelo Poder Executivo.

Deixe um Comentário


quatro − 1 =