Vereador Tarcísio (PSD) votou em Robson Faria (PSD) e Carlos Eduardo Alves (PDT); Tereza (PSD) em Carlos Alberto (PSOL) e Fáitima Bezerra (PT)

Escrito por Manacy Henrique em  4 de novembro de 2018

18301319_10208891857844891_8556992282442456393_n

Vereador Tarcísio (PSD) votou em Robson Faria (PSD) e Carlos Eduardo Alves (PDT); Tereza (PSD) em Carlos Alberto (PSOL) e Fáitima Bezerra (PT)

Quem bate esquece quem apanha não, acorda Tarcísio!

Em São Gonçalo do Amarante, RN, no primeiro turno das eleições de 2018, o vereador Tarcísio Fernandes votou em Robson Faria para governador. Ainda neste “round” eleitoral, a professora Maria Tereza Oliveira, irmã do parlamentar, cravou o voto no colega de profissão Carlos Alberto (PSOL).

Ao que parece deram-se as mãos (ele e a irmã) apenas para abraçar a reeleição do deputado estadual Gustavo Carvalho.
Fernandes, no segundo turno, pulou da ponte da amizade política, a que liga Poti Neto a Tereza, e caiu direto nos braços do candidato pedetista Calos Eduardo. A assistente social, filha da ex-vereadora Dona Bela, fez o caminho inverso da última campanha, ou seja, votou na também professora Fátima Bezerra, governadora eleita.

Tudo indica que foi um voto crítico de Tereza, quer dizer, discordava da candidata eleita, mas votou nela por julgar que o concorrente dela era pior. Por outro lado, o confuso edil, que mal fiscaliza e tão pouco é eficiente ao cobrar as ações do governo, supostamente, recebeu um dólar furado para votar em Alves.

Além disso, fez pior. Ele aceitou caçar com uma espingarda de soca votos para o candidato derrotado sem medir as conseqüências políticas da sua investida. Ele decidiu aceitar sem considerar que a irmã ficou à sua mira. Apesar disso, quem agoniza com o resultado das eleições é ele.

Portanto, com certeza que essa sopa de siglas partidárias tomada pelo vereador Tarcísio Fernandes vai lhe causar desconforto político num futuro próximo. Ele esqueceu rapidamente que Faria deixou, em pleno pingo do meio-dia, Tereza na calçada do Teatro Municipal Prefeito Poti Cavalcanti esperando que a porta do carro do governador fosse aberta para ela.

Deixe um Comentário


− 1 = três